quarta-feira, 28 de março de 2012

Pastor homossexual Anderson Zambom comenta expansão da igreja criada por Lanna Holder

O pastor Anderson Zambom, 26 anos, falou sobre a abertura de um templo da igreja Cidade de Refúgio, criada pela pastora lésbica Lanna Holder, em Porto Alegre (RS). Homossexual assumido, Zambom vai liderar, ao lado da pastora Vanessa Pereira, de 27 anos, o templo que foi inaugurado no último sábado (dia 24).
Defendendo a postura inclusiva da denominação, o pastor afirmou que “quem impôs a condição de pecado foi o homem e não Deus, porque em nenhum momento a Bíblia condena o homossexualismo”. Ele completou dizendo que “o que há são algumas traduções errôneas e o entendimento errado e manipulado da Palavra”. Zambom afirmou ainda que a igreja não é voltada exclusivamente ao público gay, mas tem o intuito de dar uma oportunidade aos homossexuais evangélicos de exercerem a religião sem serem considerados pecadores.
O pastor falou sobre suas motivações para levar a Cidade de Refúgio para o Rio Grande do Sul, e contou sobre sua saída de uma igreja na cidade de Santa Maria, em 2003. “Fui excluído do ministério. Não pude ir para frente no meu trabalho”, contou Zambom, que afirmou ainda ter decidido levar a Cidade de Refúgio para a capital gaúcha após conversar com a fundadora da comunidade, Lanna Holder: “Havia uma ideia de criação do nosso ministério, porém seria independente. Então, conversando com as pessoas, resolvemos começar esta obra aqui”, explicou.
Segundo Anderson Zambom, a igreja terá um perfil jovem, com cultos semelhantes aos da igreja Bola de Neve. Ele disse também que, entre outros trabalhos que pretende desenvolver na comunidade, a igreja vai promover a Balada Gospel, uma festa noturna voltada ao público cristão.
Ressaltando que a igreja não é exclusiva para homossexuais, o pastor declarou: “Não é só uma igreja gay e não queremos que se torne isso. É uma igreja para todos, independente da orientação sexual”. Entre as pretensões futuras de Zambom está a criação uma convenção nacional de igrejas inclusivas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário